Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Musicart

Prémios PLAY - Vencedores

Os PLAY - Prémios da Música Portuguesa voltaram a celebrar e premiar a música portuguesa pelo segundo ano consecutivo.
Nesta edição, ninguém repetiu o feito do Dino d'Santiago (que no ano passado levou três prémios para casa), mas houveram dois vencedores em destaque, com dois prémios: Capitão Fausto (Melhor Grupo + Canção do Ano) e Camané e Mário Laginha (Melhor Álbum + Melhor Álbum Fado).

O Melhor Videoclipe foi bem entregue à "Here From You", de Branko - que podia muito bem ter entrado noutras categorias - enquanto que o prémio de Melhor Artista Masculino, ganho por Slow J, soube a pouco. Tanto "You Are Forgiven" como "Também Sonhar" tinham sido justos vencedores na respectivas categorias.
O prémio de Artista Revelação, que também servia bem a Nenny, acabou por ir para Bárbara Tinoco e o de Melhor Artista Feminino para Lena d'Água, que acumulou ainda o Prémio de Critica. Aos Xutos e Pontapés foi atribuído o Prémio Carreira.

Numa noite de recados para a Ministra da Cultura e de discursos importantes sobre as dificuldades por que passam os profissionais do espectáculo e sobre a luta contra o racismo, houve ainda uma bonita homenagem de Camané e Mário Laginha a José Mário Branco, um dueto improvável composto por Pedro Abrunhosa e Profjam e a melhor performance da noite com Papillon e Murta.

Todos os vencedores:

Melhor Grupo: Capitão Fausto
Melhor Artista Masculino: Slow J
Melhor Artista Feminino: Lena D'Água
Melhor Álbum: "Aqui Está-se Sossegado" - Camané e Mário Laginha
Melhor Álbum Fado: "Aqui Está-se Sossegado" - Camané e Mário Laginha
Vodafone Canção do Ano: "Amor, a Nossa Vida" - Capitão Fausto
Prémio Lusofonia: "Sonhos" - Tainá
Melhor Videoclipe: "Here From You" - Branko
Artista Revelação: Bárbara Tinoco
Melhor Álbum Jazz: "Dentro da Janela" - João Mortágua
Melhor Música Clássica / Erudita: “Archipelago” - Drumming GP / Luís Tinoco
Prémio da Critica: "Desalmadamente" - Lena D'Água
Prémio Carreira: Xutos e Pontapés

 

Que para o ano seja possível voltar a ter os PLAY com a mesma aposta na música nacional e maior espaço para artistas independentes!