Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Musicart

#FromLisboaTo: Berlim

100644715_573187226669427_6571507242296672256_n.pn

Embarque para Berlim.
Esta é a primeira de várias viagens a partir de Lisboa para diferentes destinos, onde as paredes têm alguma coisa para nos dizer.

#FromLisboaTo é a nova rúbrica que, através de imagens, vídeos e relatos, pretende mostrar um bocadinho da arte e cultura urbana além fronteiras - Murais, curiosidades, espaços fora dos habituais roteiros turísticos, lojas ou galerias.

Pela lente do Tomás Almeida, a primeira de algumas visitas à cidade que muitos consideram a "capital da street art", onde os roteiros alternativos são o maior factor de atracção e onde há sempre qualquer coisa de novo para descobrir.
Vamos voltar a falar de Berlim no futuro - de artistas, sugestões de locais a visitar, tours, entre outras coisas.

 

2IMG_20190127_124549.jpg

2IMG_20190128_115920.jpg

2IMG_20190128_124548.jpg

2IMG_20190128_125933.jpg

2IMG_20190128_131041.jpg

2IMG_20190128_133345.jpg

3IMG_7344.jpg

3IMG_7372.jpg

 

Arte Urbana: JF Benfica homenageia figuras do bairro

99294744_2808586159365373_1483453876945289216_n.jp

Nasceu em Benfica um novo mural, que homenageia 15 figuras associadas ao bairro.
Foram escolhidos, através de votação, nomes como os de Carlos Paredes, Vasco Santana, Beatriz Costa, Ana Bacalhau ou Nuno Markl.

As ilustrações são da autoria de Tomás Reis e a pintura do mural está a ser executada por Edis One e Pariz One.

 

 

#ALLTHEARTISTS: as máquinas de café que apoiam a Cultura

97927991_2802414013215326_7573858777032556544_o.jp

 

Está no ar o OPEN CALL do movimento #AllTheArtists - um projecto da Fiamma que, em parceria com a Mistaker Maker, convida artistas visuais e plásticos a desenvolverem um design distinto e inovador para a máquina de café profissional Vela e cuja verba da venda reverte a favor do sector artístico e de associações e entidades de caráter social que atuam em contexto nacional.

o movimento #AllTheArtists conta com a participação de artistas portugueses como Ana Aragão, Aheneah, Clara Não, André da Loba, Mariana a miserável, The Caver ou Pedro Zamith, além de artistas internacionais como Antonyo Marest, Ana Marietta ou Rabi Towing. No entanto, todos os artistas nacionais e internacionais estão convidados a participar neste movimento, através da sua inscrição nesta Open Call.

As peças exclusivas criadas pelo movimento #AllTheArtists estarão disponíveis para compra no mesmo website e por cada aquisição de uma máquina, 60% do valor reverte a favor da Cultura e da Arte, um apoio que continua a ser escasso, mas que é fundamental para as entidades culturais.

Podes saber mais sobre o projecto e ficar a conhecer todas as máquinas em: http://www.alltheartists.fiamma.pt/

 

 

Como é que o bicho mexeu

98342966_2799533410270648_4662988032683540480_o.jp

Durante dois meses tivemos oportunidade de ver "Como é que o bicho mexe".
Foram cinco dias por semana em que o humor de Bruno Nogueira ajudou a que este inesperado momento que atravessamos fosse mais leve durante aquelas 2H. Para muita gente, uma companhia durante este período de quarentena. Mas foi mais do que isso. Foi uma promoção para as diversas áreas da cultura, ao juntar humoristas, actores, músicos e outros artistas para momentos inesquecíveis.
Para memória futura vai ficar o 25 de Abril com Vhils, a actuação da pianista Maria João Pires, as interpretações de Albano Jerónimo ou o sempre arrepiante fecho de Filipe Melo.

Um dia, quando falarmos desta pandemia aos nossos filhos e netos, vamos falar de Bruno Nogueira e de como correu tudo bem. 

Ilustração: half.works

#CurtasMusicart: Bruno Martins

97339133_234067621232430_4649904479968165888_n.png

Jornalista e produtor de Rádio, Bruno Martins tem-se dedicado à música e cultura em geral.
Depois de uma passagem pela imprensa escrita, onde passou pelo Portugal Diário e Jornal Metro, chegou à Antena 3 em 2017 para falar de cultura no "Domínio Público", sendo actualmente um dos apresentadores do programa "Razão de ser".

Em paralelo, colaborou com o Rimas e Batidas e é dono do podcast Assim Assado, onde entrevista pessoas ligadas ao Mundo da Gastronomia.

DSCF0054.jpg

Desta vez, para variar, foi ele o entrevistado.
Três perguntas, com uma delas a tocar num dos temas da actualidade: a preocupação com o impacto do virus na música e na cultura em geral.

 

Imprensa escrita ou Rádio. Qual e porquê?
Na verdade, acredito num conceito de Imprensa mais geral, porque não existe um meio sem os outros. Até porque todo o jornalismo começa com o acto da escrita. De resto, são processos de trabalho específicos para atingir o mesmo objetivo: informar, da melhor forma possível, contando as histórias da melhor forma possível, seja em jornais, rádio, internet ou televisão. De um ponto de vista muito pessoal, a verdade é que depois de 12 anos a trabalhar em jornais e revistas (papel e digital), a rádio (e a Antena 3, muito em particular, pela forma como se trabalha nesta casa) trouxe-me outras ferramentas que me agradam muito, nomeadamente o trabalhar com som. E como a Antena 3 também não é uma rádio fechada num só formato, comecei também a trabalhar com mais vídeo (na criação de Documentários) isto, obviamente, sem nunca deixar a escrita.

Existe a sensação de que, nos últimos anos, a música portuguesa passava por uma boa fase - mesmo no que toca a artistas e editoras independentes. Concordas? Se sim, a que se deve o momento? Há mais qualidade?
Claro que concordo, mas sinto que é algo que vem de há já muitos anos. Imagino que já havia muita gente a fazer coisas com muita qualidade, mas com menos "palco". Hoje há mais tudo: espaço, espaços e divulgação - culpe-se o lado independente e a vontade de os músicos quererem fazer coisas, dê lá por onde der. Também nós, enquanto ouvintes, alargámos a nossa escuta, abrimos os nossos ouvidos e talvez nos tenhamos tornado menos preconceituosos àquilo que é novo.

Como achas que vai ser o cenário (da música e cultura em geral) no pós-COVID? Voltámos ao ponto onde estávamos ou temos de dar um passo ao lado e seguir um caminho completamente diferente?
Acho que não há volta atrás em nada. O vírus vai alterar tudo, a começar por nós mesmos - aliás, já nos alterou: já nos colocou barreiras de protecção à frente uns dos outros. A indústria da cultura - e da música - estão já a sofrer muito e a sobrevivência vai obrigar, em primeiro lugar, a muitos sacrifícios e depois a muita criatividade. Os músicos vão ter que encontrar novos recursos, novas ferramentas, para chegar ao público. Creio que imaginação não vá faltar - até porque estamos a falar de gente muito criativa por natureza - mas será preciso ter espírito de sacrifício e audácia. No entanto, nesta altura em que falamos, a prioridade tem que ser a "comida na mesa", porque a precariedade com que se vive no mundo artístico provocou muitas dificuldades financeiras, não só aos músicos mas a toda a gente que trabalha com eles. E ninguém consegue ser criativo de barriga vazia e com (demasiadas) contas para pagar. O urgente, nesta altura, é encontrar uma forma de trazer de volta a cabeça limpa dos artistas para haver espaço para criar.

 

DSCF0230.jpg

Obrigado ao Bruno Martins pela disponibilidade!
Continuem a acompanhar a voz dele na "Razão de ser", na Antena 3 entre as 11H e as 12H ou em através do RTP Play.

 

Coruja: 9 artistas / 9 rótulos

96423320_2796603567230299_842034437234360320_n.jpg

Cerveja Coruja juntou 9 artistas para uma edição especial de 9 rótulos com realidade aumentada!
Participaram nesta colecção: ContraSAMINAgonçaloMAR, Mário Belém, Kruella d'EnferTHE CAVERCatarina Glam, Mosaik e Frame01.

Podes ficar a conhecer todos os trabalhos e entrar na experiência em www.colecaocoruja.com.

 

Pág. 1/2