Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Musicart

Tudo se transforma - #Globaile2016

13263889_10153426033221537_2406615130587093616_n.j


Quando Antoine Lavoisier disse que "... nada se perde, tudo se transforma", de certeza que não se referia aos Buraka Som Sistema. Mas, a verdade, é que a frase encaixa que nem uma luva. O fim de ciclo da banda trará coisas novas ao nosso panorama musical. A primeira é já no dia 1 de Julho.

O fecho das Festas de Lisboa e o último concerto de Buraka, são o mote para o início de Globaile.
O evento organizado em parceria pela EGEAC, Câmara Municipal de Lisboa e pela própria banda, pretende apresentar as novas coordenadas da electrónica global, numa continuação do trabalho desenvolvido por Riot, Kalaf, Conductor, Branko e Blaya ao longo dos últimos dez anos.

Divididos por dois palcos, Globaile contará com a presença de MC Bin Laden (Brasil), Dengue Dengue Dengue (Perú), Dotorado Pro (Portugal), Batuk (África do Sul) e Kking Kong (Portugal), além dos próprios Buraka Som Sistema, que se despedem dos fãs com um último concerto.
Além da música, vários tipo de food trucks e uma exposição com as dez melhores fotografias que representam os dez anos de carreira da banda, também fazem parte do acontecimento, junto à Torre de Belém.
A entrada é gratuita e os concertos também poderão ser acompanhados a partir de casa, através de live stream, via Redbull.


13501910_10153485625236537_7279627428802179263_n.j13502117_10153485625311537_1122775188746330110_n.j13509064_10153485625041537_2661168571314487345_n.j

13522066_10153485625416537_4269188955419263120_n.j13529067_10153485625676537_3372898460874468120_n.j13567161_10153485625521537_5039482239405086633_n.j

 

Programa
Palco IC19
17H - Kking Kong
18H - Batuk
19H - Dotorado Pro

Palco Komba
20H - Dengue Dengue Dengue
21H - MC Bin Laden
22H - Buraka Som Sistema

Dois anos depois da ideia inicial, o Globaile vai acontecer e promete ser um evento anual, agregando a capacidade empreendedora e a visão global dos elementos da banda.
Depois de 1 de Julho, juntos ou separados, continuarão a percorrer o mesmo caminho, com a mesma missão: levar ao Mundo a música dos subúrbios. Começa aqui.

12391004_10153095317196537_2919433949066646954_n.j

#CurtasMusicart: Lara Seixo Rodrigues - Muraliza

13256262_516323938568564_1762867020687288824_n.png


Pelo 3ª ano consecutivo, o MURALIZA vai dar uma nova vida às paredes de Cascais.
O festival de arte urbana, que já se configurou como um ponto de interesse turistico e cultural do concelho e da vila, começou hoje e dura até ao próximo dia 5 de Julho.

Nesta edição, a acção foca-se no Bairro da Torre. Os artistas estão encarregues de transformar murais de média e grande dimensão, inspirados pelas inúmeras e únicas características da região, aliadas às pecularidades do bairro, construído na década de 60.
Durante os nove dias do evento, o público em geral é convidado a acompanhar a par e passo todo o processo e desenvolvimento dos trabalhos de Paula Bonet (Espanha), Moneyless (Itália), Daniel Eime, Kruella d'Enfer, Mar e Add Fuel (Portugal).

1.png2.png3.png

4.png5.png6.png

 

De forma a criar uma proximidade entre a comunidade local e as práticas / técnicas artísticas usadas na construção das peças, nesta 3ª edição, o MURALIZA propõe um workshop de lettering (gratuito), a cargo do colectivo Halfstudio.

Para os últimos dias do evento, estão programadas uma série se visitas guiadas (em português, inglês e espanhol), durante as quais se permite a compreensão profunda das peças resultantes das edições anteriores e em execução e tudo sobre os percursos dos artistas presentes.

Motivos mais do que suficientes para visitar Cascais nos próximos dias.

anamorais_laraseixorodrigues_2.png
(Fotografia: p3)


Para nos responder a três perguntas sobre este MURALIZA, Lara Seixo Rodrigues, envolvida na produção deste e de outros projectos de arte urbana como o WOOL ou a Lata 65.
É com ela esta #CurtasMusicart.


Sentes que o Festival já faz parte da cidade de Cascais? Qual é o feedback dos habitantes? 
Os sorrisos e as palavras que nos vão deixando é sempre o melhor medidor de satisfação sobre o projecto e nos 2 anos anteriores tem sido muito positivo. Esta edição, na procura de paredes, fomos percebendo que já muita gente conhece e aprecia as intervenções que já existem, o que nos dá indicação de que o Muraliza já faz parte dos dia a dia de Cascais. 

Quais são as novidades para esta edição?
Diria que a grande novidade é o local que escolhemos para nos acolher, o Bairro da Torre. Todas as actividades se concentram ali. Daremos cor a este bairro e trabalharemos lado a lado com a população local.

É um projecto para continuar?
Trabalhamos sempre para que isso aconteça! :)


Um agradecimento à Lara Seixo Rodrigues por esta curta entrevista.

Holly Hood e "O Dread Que Matou Golias" #1

12670687_474567032746282_7384034759998067859_n.jpg


"O Dread Que Matou Golias" é o nome do primeiro trabalho de Holly Hood em nome individual. Uma trilogia composta por sete faixas em cada uma das partes. A primeira, foi lançada durante a passada semana.

A entrada em 2016 foi o ponto de partida para a apresentação deste álbum. Quando o relógio estava perto de dar as doze badaladas que assinalavam a passagem para o novo ano, já surgia o primeiro tema, "Qualquer Boda", com a participação de Regula. Quatro meses depois, novo tema de avanço. A batida forte de "Cobras e Ratazanas" deixou água na boca e o videoclip daquele que promete ser um dos temas do ano, conta já com perto de 150 mil visualizações no YouTube. 
O terceiro e último single chama-se "Fácil" e surgiu praticamente em simultâneo com os restantes quatro temas até então desconhecidos.

Além de Regula, esta "Parte I" conta ainda com as participações de No Money no tema "Cartas da Justiça" e de Here's Johnny na produção.

 

O dread ainda vai matar o Golias mais duas vezes e as restantes partes do álbum surgirão com uma estética / sonoridade diferente, promete o rapper da Linha da Azambuja.
A venda em separado será feita apenas em formato digital, com o conjunto a ter direito a formato físico após estar completo.

Tracklist:

o-dread-que-matou-golias.jpg

 

1914814_446180312251621_5583526708727257311_n.jpg
(Fotografia: Ivo Lázaro)

#CurtasMusicart: João Tamura - Dois em um

13446133_1232072903470498_1582848563_o.jpg
(Fotografia: Francisco Gomes)

 
A viver permanentemente entre dois Mundos, o da música e o da fotografia, João Tamura dedica-se a ambos com a mesma paixão e intensidade.

Das duas áreas, a fotografia foi a que descobriu mais recentemente. Aos 20 anos de idade. Presença assídua em concertos - de hip hop, principalmente - Tamura é inspirado sobretudo pela vida na cidade e pelas paisagens urbanas.

 

13235552_1218302211514234_8196366984071438440_o.jp
(Fotografia: João Tamura / Hong Kong Film 2015)

Mas, a presença em concertos não se resume à fotografia. É ele, muitas vezes, o protagonista. Dedicou-se à música com apenas 14 anos. Além de cantar, compõe e é responsável por temas que contam com dezenas de milhares de visualizações no YouTube, como "Mãos", "O Sitio das Coisas Selvagens", "Maria" ou "Chão".

Recentemente, juntou a sua voz e escrita aos beats de Holly, num projecto que deu origem a "HOKKAIDO". Um EP composto por 7 temas originais, lançado no passado mês de Abril, do qual já aqui falámos.

 

Para esta #CurtasMusicart, não falámos com o músico nem com o fotógrafo. Falámos com um artista que, nos próximos 10 anos, espera continuar a fazer aquilo que lhe dá mais prazer: música, fotografia ou algo novo que descubra e o inspire.

 

Quem é o João Tamura? O músico e o fotógrafo.
É um gajo nascido e criado em Lisboa de, agora, vinte e poucos anos, que ama e faz tanto música como fotografia.

O que te inspira na fotografia, em particular?
Não sei se existe algo particular que seja inspiração num universo tão vasto e complexo como a fotografia. Lembro-me que desde criança me fascinava e lembro-me também que quis pela primeira vez fotografar ao deparar-me com o trabalho de Eduardo Gageiro. É das coisas que mais me apaixona e que mais feliz me deixa. Não sei, hoje, o que me deixa mais realizado: se criar uma boa canção ou uma boa fotografia.

HOKKAIDO é o teu mais recente trabalho com Holly. Como surgiu, como o descreves e quais são os vossos objectivos?
Da forma mais natural possível. Há já bastante tempo que trabalho com o Holly que, para além de meu parceiro nesta coisa da música, é meu amigo. Chegou o dia em que decidimos juntar aquilo em que em conjunto estávamos a trabalhar e criar um EP, o HOKKAIDO! Não traçámos nenhum objetivo inicial – nem o temos agora, creio eu. Partimos com a ideia de fazer música – a música que gostamos – e é isso que temos feito.



Um enorme agradecimento ao João Tamura por toda a disponibilidade.

Ficam aqui algumas ligações, para quem quiser ficar conhecer melhor o seu trabalho.
Fotografia:
http://joaotamura.tumblr.com/
https://www.flickr.com/photos/joaotamura/
https://www.instagram.com/joaotamura/

Música:
https://www.youtube.com/user/coizasdontem
http://joaotamura.bandcamp.com/

13446106_1232073473470441_1692116102_o.jpg(Fotografia: Francisco Gomes)